Páginas

SEMPRE PREFERI A PAIXÃO

Nunca tive medo de amar, mas sempre preferi a paixão. Paixão é o deslumbre é a faísca que faz a gente perder horas pensando naquele alguém, sem a certeza de estarmos sendo correspondidos. Pois, ao contrário do amor, a paixão é incerta. É terreno virgem pronto para ser desbravado. Nunca sabemos o que tem no seu interior e mesmo assim entramos. Afinal, essa é graça da paixão: flertar com o perigo. Enquanto o amor te cobra certezas, a paixão só exige coragem. Amor é razão. Paixão é emoção. Amor é maratona. Paixão é 100 metros rasos. O amor é pro amanhã. A paixão é pra ontem.

A paixão se esconde, fica de longe, espreitando, vigiando cada passo, calculando cada movimento, tramando mil maneiras para surpreender e encantar. O amor se identifica, mostra RG e CPF, diz de onde veio e o que veio fazer. No amor não restam dúvidas. É fácil amar. Por isso, ninguém desiste do amor. O amor é que desiste da gente. A paixão esconde o jogo. Nada de certezas, nada de garantias. Por isso, muitos fogem da paixão. Poucos curtem o frio na barriga que ela proporciona. Poucos têm paciência de aguardar um telefonema, uma mensagem, tão pouco, suportar a dúvida do próximo encontro. Afinal, na paixão, o próximo encontro é tão incerto quanto o amanhã.

A paixão não respeita calendário. Enquanto o amor ocupa os finais de semana, a paixão invade qualquer dia. A paixão vai ao cinema segunda-feira de manhã, senta no bar quarta-feira à tarde e vai à praia quinta-feira à noite. A paixão não tem dia nem hora pra acontecer. A sua única regra é fechar os olhos e se entregar. Viver sem medo de se machucar ou de se arrepender. Essa é a graça. Esse é o encanto. Isso é paixão. Para se apaixonar, só é preciso coragem.

Felipe Attie

Nenhum comentário:

Postar um comentário

MAIS LIDAS!